Dia 3 de fevereiro de 1988 começou uma luta em busca da composição de uma associação que traduzisse as necessidades de lazer e de proximidade de alguns profissionais do Metrô. Assim era fundado o Grot Grêmio Recreativo dos Operadores de Trem, que tempos depois abriria espaço à participação de outros profissionais dos demais setores,  tornando-se o Greme  Grêmio Recreativo dos Metroviários de São Paulo.

Ainda sem uma sede,  as reuniões do Grot aconteciam na residência de Manoel Cândido Pires, mais conhecido como CP. Ainda em 1988, as ações da entidade foram paralisadas devido ao número de demissões que ocorreram no Metrô,  atingindo inclusive a diretoria do Grot.  Os trabalhos só foram retomados no período de 89 a 90. CP,  que havia sido sucedido na presidência por Célio, retomou o posto e permaneceu no cargo de presidente até 92. Durante a gestão foi possível comprar um terreno para a construção da colônia de férias, a primeira linha telefônica e alugar um espaço para a sede.

Novas eleições para a presidência da entidade trouxeram mais alento e propostas renovadoras. Maurício Garcia surgiu na época como uma alternativa para fortalecer o Grot, o qual seguindo sua idéia de abrir participação também para profissionais de outros setores do Metrô,  denominaria-se Greme (Grêmio dos Metroviários de São Paulo), tendo a sede sido deslocada para um espaço mais amplo na rua Serra de Bocaina,  no Belém. Além das mudanças estruturais,  o plano de trabalho de Maurício ainda contava com a criação de uma colônia de férias, uma cooperativa de abastecimento e um centro social.

O crescimento do Greme deu-se não somente em termos de número de associados, mas também no plano de benefícios,  que passou a ser servido de vários convênios, propiciando maior poder de compra aos associados, sob custos reduzidos.  O plano de melhoria no atendimento também sofreu mudanças bruscas,  visto que a entidade passou a ser totalmente informatizada,  facilitando o acesso a informações e aumentando o número de proposta apresentadas pelo Greme em termos de facilidades para seus associados.  O sistema de comunicação com os associados ganhou espaço com a introdução de um jornal periódico para levar notícias, entretenimento e informações sobre os convênios recém conquistados, a construção da Colônia de Férias, novas propostas de trabalho para a entidade e assuntos diversos.  Hoje, a idéia de reduzir os espaços para melhorar o sistema de informação continua em pauta,  como pode ser acompanhado agora nesta home page.

O sonho da construção da Colônia de Férias de Itanhaém saiu da aquisição do terreno e ganhou formas no papel, através da concepção da planta e do trabalho de terraplanagem. Novas idéias,  como o lançamento dos títulos patrimoniais,  deram força para o início da construção e mostra hoje a quanto anda o projeto.
Atualmente o Greme conta com 1.500 associados, cerca de 50 convênios e mostra que depois de onze anos de existência ainda busca fôlego para alcançar novas conquistas e,  quem sabe,  em sua maioridade tornar-se independente e ainda mais forte.